Desde 02/06/2003 Criação, produção e edição: Edu Cesar


papodebola@gmail.com


papodebola


sitepapodebola


edupapodebola

SOBRE ESTA SEÇÃO
Imagens que marcaram época, sons inesquecíveis, personagens que fizeram história. Para entender o presente, é preciso conhecer o passado. Aqui, recordar é mais do que viver. É saber, é contextualizar, é rememorar. Viaje no tempo.
 
LEIA AQUI as colunas anteriores
 
Sábado, 8 de maio de 2021
55 anos de Taffarel

Um dos maiores goleiros brasileiros de todos os tempos, ele fez parte da redenção da Seleção Brasileira como nome fundamental na conquista mundial de 1994. Passados 20 anos, começou a ser seu treinador de goleiros e assim continua até os dias atuais, desde o ano passado exclusivamente nela após sair do Galatasaray, cujos guarda-metas treinava desde 2011 e cuja baliza defendeu em dois títulos nacionais turcos, dois da Copa da Turquia e mais tanto a Copa quanto a Supercopa da UEFA ambas em 2000. Mas é melhor retornarmos ao começo.

E o começo de Taffarel foi no Internacional, no qual esteve de 1985 até 1990 e pelo qual não ganhou títulos, chegando aos vices da Copa União de 1987 e do Brasileirão de 1988. Apesar de marcante, a passagem ficou menor por causa disso, que coincidiu com uma sequência de seis títulos gaúchos do Grêmio. A saída foi para o Parma, onde ficaria até 1993 e pelo qual ganharia duas Copas da Itália e a Recopa Europeia de 1993. O "Globo Esporte", apresentado por Isabela Scalabrini, destacou a venda do goleiro e trouxe uma declaração dele.



Foi ainda pelo Colorado que sua trajetória na Seleção passou a ser especialíssima. Já tinha sido campeão mundial júnior em 1985 e pan-americano em 1987, mas a prata olímpica em Seul 1988 teve eternizada a semifinal contra a Alemanha, que acabou 1 x 1 no tempo normal e 3 x 2 para os brasileiros nos pênaltis. Veja as três cobranças defendidas por ele (uma no tempo normal) com um empolgadíssimo Sílvio Luiz na TV Bandeirantes.



Quando conquistou a Copa do Mundo nos Estados Unidos, Taffarel estava na Reggiana desde 1993 e já havia vencido pela Seleção profissional a Copa América de 1989. Na decisão contra a Itália, no Rose Bowl, o 0 x 0 + 3 x 2 passou diretamente por ele com a defesa na cobrança de Massaro, a partir da qual começou a virada brasileira consumada no chute do Dunga e no erro do Baggio. Luciano do Valle não poupou emoção na TV Bandeirantes.



Em 1995, o goleiro retornou ao Brasil e defendeu o Atlético Mineiro, no qual ficou até 1998, quando transferiu-se para o Galatasaray. Ali, ganhou o estadual de 1995 e as Copas Centenário e Conmebol ambas de 1997. Do certame sul-americano, destaco o 1 x 1 da semifinal contra o América de Cáli, reportado por Odilon Amaral na TV Globo.



A Copa do Mundo de 1998 marcou a despedida de Taffarel da Seleção, pela qual sua última conquista foi a Copa América do ano anterior. Mesmo com o vice-campeonato diante da anfitriã França, ficaram boas lembranças, como a da maior partida daquela edição: a semifinal contra a Holanda, 1 x 1 no tempo normal e 4 x 2 nos pênaltis. Neles, o arqueiro barrou Cocu e Ronald de Boer no baile. Os lances são narrados na TV Globo por Galvão Bueno, que ajudou demais a colocá-lo no imaginário com um de seus mais memoráveis bordões: "sai que é sua, Taffarel!".

 

Torneios de futebol, todas as modalidades e variedades não-esportivas.

Destaques da imprensa esportiva. O que acontece em TV, rádio, jornal e web.

Podcasts com pitacos sobre os esportes e outros registros interessantes.

Convidados escrevem sobre temas de agora no futebol e em todos os esportes.

Para entender o presente, é preciso conhecer o passado. Aqui se faz isso.

Teste de conhecimentos com direito a charadas e perguntas "pega-ratão".

Verde para o bom, vermelho para o ruim e amarelo para chamar a atenção.

Gente do esporte dá dicas de livros, filmes, música, culinária e mais.