Desde 02/06/2003 Criação, produção e edição: Edu Cesar


papodebola@gmail.com


papodebola


sitepapodebola


edupapodebola


(51) 99843-7700

SOBRE ESTA SEÇÃO
Imagens que marcaram época, sons inesquecíveis, personagens que fizeram história. Para entender o presente, é preciso conhecer o passado. Aqui, recordar é mais do que viver. É saber, é contextualizar, é rememorar. Viaje no tempo.
 
LEIA AQUI as colunas anteriores
 
Domingo, 6 de maio de 2018
20 anos do "Fala Brasil" na Record

A data foi completada nesta sexta-feira pelo noticiário matinal, que começou como uma revista inspirada no "Good Morning America" (da ABC dos Estados Unidos) para, depois de poucos anos, ganhar a definitiva cara de noticiário geral, com reportagens ao vivo e tudo mais.

O título já havia sido usado duas outras vezes pela própria Record: em 1990, num programa exibido uma única vez e apresentado por Sílvia Poppovic, e em 1993, numa atração política apresentada por Regina Mamede. Além disso, a Rede OM teve um jornal noturno chamado "Fala Brasil" em 1992.

O "Fala" em si colocou informação no começo das manhãs da Record, que exibia até a semana anterior as séries "Murphy Brown, a Repórter", "O Quinteto" e "O Mundo de Beakman" das 8h às 10h. Estabelecido, permitiu que anos depois viessem os antecessores locais.

O primeiro sexteto de apresentadores durou até o ano seguinte e contou com Dóris Giesse, Rosana Hermann, Virgínia Nowicki, Duda Seidel (substituída pouco depois por Renata Vianello), Bob Floriano e Rafael Moreno. Deles, apenas Rosana e Bob continuaram até 2000, com Tatiana Ferraz passando a compor a bancada.

Em 1999, ainda no formato inicial com cara de programa de variedades, foi lançada uma edição de domingo que durou poucas semanas. Dela faziam parte Rosana Hermann, Adriana de Castro (apresentadora do "Jornal da Record") e José Luiz Datena (apresentador do "Cidade Alerta" e do "Com a Bola Toda").

Rosana e Bob saíram em 2000 e foram substituídos por Miguel Dias e Eleonora Paschoal. No ano seguinte, eles deram lugar a Mônica Waldvogel e Rodolpho Gamberini, a partir daí o tom de variedades saindo de vez para um noticiário no formato tradicional assumir de vez o formato.

Em 2003, Fernanda Fernandes e Alexandre Giachetto ancoraram o "Fala" e imprimiram um tom extremamente descontraído em vários assuntos. Eles ficaram até o fim de 2004, quando Marcos Hummel (egresso da TV Bandeirantes) e Janine Borba iniciaram uma nova fase.

Hummel ganhou nova companhia em 2006, quando Janine foi substituída por Luciana Liviero. Eles saíram em 2009, quando entrou a atual dupla composta por Carla Cecato e Roberta Piza. Essa já participava do jornal com a dupla anterior, mas apresentando o bloco de esportes.

Elas brigaram em 2012 e a primeira deixou o "Fala" por cerca de um ano, no qual Thalita Oliveira esteve na bancada. Aparadas as arestas e resolvidas as diferenças, Roberta e Carla se juntaram novamente. Em 2017, Larissa Alvarenga foi titular por meio ano enquanto Carla fazia o "SP Record".

Acompanhe abaixo uma relíquia: um trecho da edição de estreia do "Fala Brasil", em 4 de maio de 1998. Nele, Dóris, Rosana e Rafael destacam a estreia na mesma noite da novela "Estrela de Fogo" e entrevistavam parte do elenco: Cristina Prochaska, Joana Limaverde, Afonso Nigro e Rodrigo Veronese.

Torneios de futebol, todas as modalidades e variedades não-esportivas.

Destaques da imprensa esportiva. O que acontece em TV, rádio, jornal e web.

Podcasts com pitacos sobre os esportes e outros registros interessantes.

Convidados escrevem sobre temas de agora no futebol e em todos os esportes.

Para entender o presente, é preciso conhecer o passado. Aqui se faz isso.

Teste de conhecimentos com direito a charadas e perguntas "pega-ratão".

Verde para o bom, vermelho para o ruim e amarelo para chamar a atenção.

Gente do esporte dá dicas de livros, filmes, música, culinária e mais.