.


.

  24 Horas
  Papo de Mídia
  Academia Esportiva
  Papo Especial
  Especiais PB
  O Jogo da Minha Vida
  Rádio PB
  PB Interativo
  Sites Parceiros
 

OFERECIMENTO

.

ATENÇÃO: página melhor visualizada em 1024 x 768 - Seja bem vindo ao PAPO DE BOLA - O SITE!

.

24 HORAS
Futebol, esportes, sintonias e belas

.

Segunda, 4 de maio de 2015 - ANO 12, EDIÇÃO 143
A coluna perdida

Obs.: esta introdução é de segunda, 11 de maio, exatamente uma semana após os escritos abaixo serem feitos. Prontos estavam para publicação, mas a retirada do sinal de internet e telefone por uma semana inteira devido a desacordos e confusões aprontadas pela prestadora destes serviços me deixou sem pai e nem mãe - o que foi um "crime lesa-gestação" por acontecer na semana que redundaria no Dia das Mães, usando de um trocadilho infame. A edição que lerão a seguir esteve pronta já por volta das 7 e meia da manhã da segunda passada e, para fins de arquivo, adicionei destaques para duas finais realizadas em dias posteriores.

Também as festas têm seus lados ruins

O último fim de semana dos Campeonatos Estaduais (os principais, pois vários prosseguirão mais algumas semanas ou alguns meses) deveria ser marcado somente pelas festas dos clubes campeões e pela aceitação respeitosa dos vices. Pena que incidentes ocasionaram cenas desagradáveis, algumas delas horrorosas.

No sábado, a torcida do América pôs abaixo o alambrado do Frasqueirão e as autoridades demoraram alguns instantes além do devido para entrarem em ação. No domingo, aqui em Porto Alegre, o Beira-Rio teve cadeiras quebradas e atiradas na direção dos torcedores do Internacional pelas organizadas do Grêmio, ocasionando vaias de todos os demais no estádio, inclusive do pessoal da torcida mista, na qual ficou tudo bem mais uma vez. Mas nada me deixou mais entristecido que o visto no Castelão após um término extraordinário de Ceará x Fortaleza. Enquanto admirador do futebol nordestino e após uma linda festa na reta final da Copa do Nordeste, machucou demais ver a praça de guerra na qual as torcidas transformaram o palco cearense do Mundial de Seleções.

Apesar disso, tivemos estádios lotados ou com grande preenchimento das arquibancadas em praticamente todos os encontros decisivos, como notarão no tradicional balanção das segundas-feiras a seguir. Antes, observação fundamental: a arrecadação da final em Goiás foi muito baixinha devido a uma promoção na qual o vivente pagava dois picolés da empresa Creme Mel e trocava ambos os palitos por um ingresso. Promoção boa, heinhô? Ah: algumas partidas não constarão pois seus borderôs não foram divulgados até a publicação desta coluna.

58.446 (66.156) / R$ 3.286.580,00 (R$ 56,23) - Botafogo 1 x 2 Vasco (Carioca) - Maracanã, Rio de Janeiro
50.002 (51.002) / R$ 1.169.467,00 (R$ 23,38) - Ceará 2 x 2 Fortaleza (Cearense) - Castelão, Fortaleza
43.652 (46.370) / R$ 1.106.405,00 (R$ 25,34) - Santa Cruz 1 x 0 Salgueiro (Pernambucano) - Arruda, Recife
37.227 (41.791) / R$ 1.993.870,00 (R$ 53,55) - Internacional 2 x 1 Grêmio (Gaúcho) - Beira-Rio, Porto Alegre
34.773 (34.983) / R$ 975.675,00 (R$ 28,05) - Remo 2 x 0 Independente (Paraense) - Mangueirão, Belém
30.655 (31.342) / R$ 63.505,00 (R$ 2,07) - Goiás 1 x 1 Aparecidense (Goiano) - Serra Dourada, Goiânia
24.046 / R$ 299.464,00 (R$ 12,45) - Brasília 0 x 1 Gama (Brasiliense) - Mané Garrincha, Brasília
22.256 (25.833) / R$ 693.850,00 (R$ 31,17) - Coritiba 0 x 3 Operário (Paranaense) - Couto Pereira, Curitiba
20.904 / R$ 468.040,00 (R$ 22,38) - Bahia 6 x 0 Vitória da Conquista (Baiano) - Fonte Nova, Salvador
17.749 / R$ 341.240,00 (R$ 19,22) - Joinville 0 x 0 Figueirense (Catarinense) - Arena Joinville, Joinville
14.165 (14.715) / R$ 733.215,00 (R$ 51,76) - Caldense 1 x 2 Atlético (Mineiro) - Dilzon Melo, Varginha
14.662 / R$ 1.555.280,00 (R$ 106,07) - Santos 2 x 1 Palmeiras + 4 x 2 (Paulista) - Vila Belmiro, Santos
13.615 / R$ 142.130,00 (R$ 10,43) - Ferroviária 0 x 0 Guarani (Paulista Série A2) - Fonte Luminosa, Araraquara
12.999 / R$ 120.045,00 (R$ 9,92) - Vila Nova 6 x 0 Goiânia (Goiano Série B) - Serra Dourada, Goiânia
11.162 (12.883) / R$ 299.915,00 (R$ 26,86) - ABC 0 x 1 América (Potiguar) - Frasqueirão, Natal
5.906 / R$ 88.265,00 (R$ 14,94) - Taubaté 2 x 2 Atibaia (Paulista Série A3) - Joaquinzão, Taubaté
3.469 / R$ 48.645,00 (R$ 14,02) - Sport 0 x 0 Central (Pernambucano) - Ilha do Retiro, Recife
3.335 (4.247) / R$ 11.762,85 (R$ 3,52) - Atlético 5 x 0 Nacional (Paranaense) - Arena da Baixada, Curitiba
2.993 / R$ 16.529,00 (R$ 5,52) - Ivinhema 2 x 3 Comercial (Sul-Mato-Grossense) - Saraivão, Ivinhema
2.490 / R$ 27.995,00 (R$ 11,24) - Comercial 1 x 0 Catanduvense (Paulista Série A2) - Palma Travassos, Ribeirão Preto
1.954 / R$ 35.730,00 (R$ 18,28) - Estanciano 0 x 1 Confiança (Sergipano) - Francão, Estância
1.943 (2.536) / R$ 33.005,00 (R$ 16,98) - Coruripe 1 x 1 CRB (Alagoano) - Gerson Amaral, Coruripe
1.400 (1.500) / R$ 22.500,00 (R$ 16,07) - Portuguesa 5 x 1 Americano (Carioca Série B) - Luso Brasileiro, Rio de Janeiro

Os públicos do meio de semana

Obs.: evidentemente, estes dados dizem respeito aos jogos que vieram após a finalização desta coluna e aqui estarão para fins de arquivo; a plateia no Morumbi foi a maior do futebol brasileiro em 2015; e várias partidas não estão publicadas por seus borderôs não serem informados e nem constarem ainda no site da CBF.

66.369 / R$ 3.672.805,00 (R$ 55,33) - São Paulo 1 x 0 Cruzeiro (Libertadores) - Morumbi, São Paulo (SP)
19.553 / R$ 1.197.920,00 (R$ 61,26) - Atlético Mineiro 2 x 2 Internacional (Libertadores) - Independência, Belo Horizonte (MG)
16.142 / R$ 677.255,00 (R$ 41,95) - Maringá 2 x 2 Santos (Copa do Brasil) - Willie Davids, Maringá (PR)
11.479 (13.721) / R$ 284.474,00 (R$ 24,78) - CRB 2 x 0 Coruripe (Alagoano) - Rei Pelé, Maceió
11.462 / R$ 256.804,00 (R$ 22,40) - Avaí 1 x 0 Figueirense (Copa do Brasil) - Ressacada, Florianópolis (SC)
8.553 (8.968) / R$ 147.077,00 (R$ 17,19) - Fortaleza 2 x 1 Coritiba (Copa do Brasil) - Castelão, Fortaleza (CE)
5.740 / R$ 67.900,00 (R$ 11,82) - Chapecoense 2 x 0 Sport (Copa do Brasil) - Arena Condá, Chapecó (SC)
1.273 (1.450) / R$ 21.655,00 (R$ 17,01) - Botafogo 3 x 0 Capivariano (Copa do Brasil) - Engenhão, Rio de Janeiro (RJ)

Paulista: gloriosos pênaltis praianos



A final na Caldeira do Urbano começou 11 minutos além do combinado devido ao atraso na chegada do Palmeiras, que pegou o Hino Nacional em andamento, o que proporcionou uma cena patética. Um jogo que estava marcado para ser resolvido nos pênaltis teve um não marcado para os palmeirenses na etapa primeira, cometido por Werley em Victor Hugo. Se aí a arbitragem errou, a seguir acertou ao validar o primeiro gol santista pois Robinho estava em condição legal ao ser lançado para deixar David Braz na cara do alvo. O segundo erro do apitante Guilherme Ceretta de Lima aconteceu nas expulsões de Dudu e Geuvânio, completamente descabidas pois, mesmo que já estivesse amarelado, o palestrino não merecia outra punição - e nem o peixeiro também. Antes ainda do intervalo, Ricardo Oliveira aumentou o escore e ali colocava o Santos campeão diretamente nos 90 minutos.

Os comandados de Marcelo Fernandes permaneceram no campo durante o intervalo e remeteram à semifinal do Brasileirão de 1995, quando também a vantagem parcial era de 2 x 0 após os 4 x 1 anotados na ida do Maracanã pelo Fluminense, que seria eliminado por 5 x 2. Mas a história não acabou nos 90 minutos desta vez, o que nos leva a outra figura fundamental deste jogo: Vladimir. Enquanto brilhou numa defesaça em disparo do Zé Roberto, achei ter tido mão mole na finalização do Lucas que resultou nas penalidades máximas - nas quais não esteve Victor Ramos, expulso com muito merecimento por uma solada bandida em Valencia. Mas volto ao Vladimir: ele deteve Rafael Marques e foi fundamental para a conquista do Peixe, auxiliada por outro erro do Verdão no tiro do Jackson no travessão. Lucas Lima completou os 100% dos donos da casa e liberou o festerê. Se no ano passado as cobranças a 11 passos da marca fatal foram desastrosas, agora elas foram gloriosas.

Na sétima final seguida que disputou (quatro ganhas), o Santos completou 21 títulos paulistas, o primeiro desde 2012, numa campanha de 13 vitórias, 4 empates e 2 derrotas, com 36 gols marcados e 15 sofridos. Além disso, não perde para o Palmeiras na Vila Belmiro desde 2011, tendo neste período 6 vitórias (4 seguidas) e 1 empate. A equipe de Sampa City chegou aos 25 vices, o primeiro desde 1999 na decisão com o Corinthians.

Carioca: ah, como foi grande a espera!



Itu é a cidade da fama de grandeza exagerada, do "ah, como era grande". Grande era a espera do Vasco por um bendito título estadual, mais de uma década de jejum. Mas se não há bem que dure o tempo todo, não há mal que perdure eternamente. E o mal que afligia os cruzmaltinos finalmente terminou neste domingo com dois auxílios fundamentais vindos do campeão paulista do ano passado: o técnico e o artilheiro das duas pelejas finais.

Rafael Silva abriu o placar para o Vasco perto do intervalo após cochilo defensivo, repetindo a dose exitosa do domingo anterior. Emoção foi colocada quando Diego Jardel empatou, mais um gol do Botafogo e teríamos uma decisão por pênaltis. E tivemos mais um gol mesmo... vascaíno. Gilberto foi pras redes no último lance e o grito de "é campeão!" enfim pôde ser solto. Primeiro lugar para o time do Doriva, o primeiro treinador a ser bicampeão "do eixo" vencendo os Campeonatos Paulista e Carioca seguidamente (Ituano em 2014 e Vasco em 2015).

O Machão da Gama agora soma 23 títulos, o primeiro desde o distante 2003, e teve 13 vitórias, 4 empates e 2 derrotas, com 35 gols pró e 14 gols contra. Sem considerar 1948 e 1968, que foram edições em pontos corridos, foi a primeira finalíssima da competição num todo que os vascaínos venceram diante do Fogão, que havia triunfado em 1990 e 1997. Além disso, o Cruzmaltino agora não perde há 5 clássicos para o Glorioso desde 2013 (sendo 3 vitórias e 2 empates). Este não é o mascote em São Januário, mas o campeão cantou de galo.

Mineiro: a hora mais fundamental para voltar a marcar



Varginha recebeu uma decisão cujo desfecho só poderia mesmo ser de outro mundo. Quem é que poderia sequer brincar que uma das maiores secas de jogador de futebol acabaria justamente para valer título? Se alguém cravou isso em alguma bolsa de apostas, a essa hora deve ter mais grana que vencedor da Mega da Virada.

Mas antes até do primeiro balançar de véu de noiva, a decisão teve dois momentos agudos: um pênalti de Serginho em Luan não marcado pelo apitador Emerson Ferreira, prejudicando o Atlético, e um cabeceio de Tiago Azulão no poste, quase abrindo a função para a Caldense. (se fosse na época da Record, Ratinho diria que não soltaram o azulão) Thiago Ribeiro deixou os alvinegros na frente e Luiz Eduardo empatou para a Veterana no rebote do Victor. Aí veio o nome da tarde: Jô. Sim, Jô. Incrível, fantástico, extraordinário, mas o gol do título do Galo foi marcado pelo Jô! O primeiro dele desde o Zamora em abril, que foi dedicado ao filho que está internado. Um gol irregular pois ele estava adiantado - e o suficiente para Guilherme Camilo, muito bem posicionado, perceber e marcar.

Apesar da enorme reclamação da Caldense, enorme a ponto do bandeirola sumir num monte de policiais que evitaram que arrancassem seu fígado, o Atlético foi o campeão pela 43ª vez, a primeira desde 2013. Campanha de 9 vitórias, 3 empates e 3 derrotas, com 25 gols seus e 10 dos adversários. O clube de Poços de Caldas agora caiu para o outro grande de Belo Horizonte, repetindo o Supercampeonato Mineiro de 2002 com o Cruzeiro - contra o qual, na semifinal, o Galo fez igual agora à decisão: desconsiderou a vantagem oponente do empate.

Gaúcho: do massacre à tensão, acabou campeão



Depois de dois Grenais "oxados", enfim tivemos um com bola na rede, todas no primeiro tempo, esse o que teve bola em jogo no tocante a chances de gol, enquanto o segundo foi todo apenas e tão somente tenso.

Os 47 minutos iniciais não traduzem o que aconteceu em campo. A superioridade do Internacional foi enorme e, se acabasse com três ou mesmo quatro de diferença, não seria exagerado - Marcelo Grohe que o diga. Nilmar e Valdivia foram os líderes do massacre vermelho, cada gol com penúltimo toque de um e conclusão do outro. O segundo surgiu após Fellipe Bastos cobrar uma falta na trave e, na volta para a defesa, ele mesmo entregar nos pés do Nilmar. Mesmo muito mal, o Grêmio colocou esperança ao diminuir com Giuliano. Desta maneira, se obtivesse a igualdade, conquistaria o título pelos gols fora. Mas isso não aconteceu e Rhodolfo ainda foi expulso.

O Colorado agora tem 44 títulos é pentacampeão pela terceira vez, repetindo 1944 e 1973. A campanha mostrou 12 vitórias, 7 empates e 1 derrota, com 29 gols marcados e 12 sofridos. O Tricolor é bi-vice-campeão e perdeu uma invencibilidade de 14 jogos, enquanto é de 16 a dos treinados por Diego Aguirre, o primeiro técnico estrangeiro a conquistar título pelos vermelhos desde o argentino Alfredo Gonzáles no Gauchão de 1950. Outro argentino, D'Alessandro, ganhou seu sexto estadual. Já Giuliano repetiu um acontecimento muito amargo: anotar o último gol do campeonato e seu time perder (foi assim na "vitória derrotada" do Inter por 1 x 0 em 2012). Enquanto no Beira-Rio reformado os azuis ainda não ganharam ao perderem 2 vezes e empatarem a outra, o retrospecto do Inter em seu estádio aponta 7 clássicos de invencibilidade desde 2012, com 5 vitórias e 2 empates.

Catarinense: só amanhã saberemos seu desfecho



Sabe o cabeceio do Kempes na trave, que não deu em gol do Joinville? Sabe o cabeceio péssimo do Mazola na cara do Oliveira nos acréscimos da segunda etapa, que não resultou em Figueirense nas redes? Não foram os últimos lances deste torneio. Sim, dentro de campo o duplo 0 x 0 resultou no 13° título do JEC, o primeiro desde 2001 (obteve 9 vitórias, 9 empates e 3 derrotas, marcando 20 e sofrendo 13), mas é apenas nesta terça-feira que o TJD/SC decidirá se vão cassá-lo o título pela escalação irregular do André Krobel. Frustra, não é? Tanto faz o que será decidido, mas tinham que ter decidido isso em caráter de urgência antes desta finalíssima.

Paranaense: a classe operária vai ao paraíso



Algumas finais deste domingo tiveram pequenos e médios do interior contra os grandões das capitais. Ora bolas, algum deles tinha que sair vencedor. E quem disse que fantasma não assusta sob a luz do sol?

Antes do jogo, as torcidas de Coritiba e Operário se uniram em um coro de "fora, Beto Richa!", num protesto contra a truculência da polícia militar naquele protesto dos professores, o que deixou o filme do governador queimado com um tantão de gente por todo o país. Com a bola rolando, truculento com a bola no pé foi apenas e tão somente o Fantasma de Ponta Grossa, que já tinha dois gols de vantagem e a ampliou com uma sonora trinca para lavar a alma e ser lembrada para todo o sempre. Todos os gols foram marcados por pavorosas falhas defensivas do Coxa, daquelas de render justa causa aos causadores das mesmas. No segundo, feito por Ruy, a torcida alviverde se rendeu ao melhor futebol do adversário e o aplaudiu respeitosamente, numa cena legal demais.

Depois de 14 vices, o último em 1961, finalmente o Operário conquistou o primeiro lugar paranaense em uma campanha marcada por vitórias sobre todos os grandes curitibanos: 1 x 0 no Atlético na classificatória, 3 x 0 no Paraná nas oitavas e 2 x 0 em casa e 3 x 0 fora no Coritiba nesta decisão. Foram 10 vitórias, 4 empates e 3 derrotas, com 28 gols pró e 11 contra. Primeiro grande título do técnico Itamar Schulle, muito conhecido no Sul e que levou a Chapecoense da Série C para a B em 2012 e o Novo Hamburgo a títulos de copas regionais aqui na aldeia pampeana em 2013. O Fantasma ainda quebrou uma invencibilidade do Coxa no Couto Pereira, que vinha desde a queda para o Cruzeiro em setembro e já durava 13 jogos, 11 deles ganhos consecutivamente.

Pernambucano: uma bomba que explodiu o torcedor de alegria



Magrinha de bola na rede, a final ganha pelo Santa Cruz sobre o pela primeira vez finalista Salgueiro teve uma bomba do Anderson Aquino de fora da área no canto esquerdo resultando em 28 títulos para a equipe do Recife, que não era campeã desde 2013 e que teve 7 vitórias, 3 empates e 4 derrotas, fazendo 16 gols e tomando 11.

Baiano: pisoteamento, atropelamento, vareio...



Pense em outros sinônimos à vontade, mas todos levarão a um denominador comum: Bahia campeão ao passar o carro por cima do Vitória da Conquista, que com apenas 23 minutos já via sua vantagem da ida dar bode, com o perdão do trocadilho infame. Kieza e Souza foram os que mais farrearam com dobra cada um. Vê o tamanho do estrago que apenas e tão somente 90 minutos causaram: em todos os outros 11 jogos antes desta volta final, o Conquista só havia levado 6 gols, enquanto nos dois jogos anteriores com o Bahia tinha feito 5 gols e não sofrido nenhum. Bastou uma única tarde para o Esquadrão de Aço botar tudo isso abaixo e descontar nele a perda da Copa do Nordeste no último meio de semana. Tetracampeão, o Tricolor do Sérgio Soares coleciona 46 títulos em campanha que teve 8 vitórias, 1 empate e 3 derrotas, com 34 gols seus e 13 dos adversários.

Cearense: na bola rolando, uma peleja espetacular



Procurando desconsiderar um pouco o horror assustadoramente pavoroso pós-último apito, o clássico em si foi ótimo mais uma vez, com altas doses de emoção e o epílogo mais extraordinariamente sensacional talvez de toda a história desta rivalidade. Nem sei se o parceiro Regys Silva lerá estes escritos, inchada que deve estar a cabeça enquanto alvinegro que é, mas talvez ele concorde com o paralelo que farei: lembra do maravilhoso em emoções término da Fórmula 1 em 2008? É como se o Ceará fosse Felipe Massa (campeão por breves instantes) e o Fortaleza fosse Lewis Hamilton (campeão definitivo tirando um surpreendente coelho da cartola).

Se acabasse o Clássico Rei apenas com o primeiro gol tricolor, já seria um jogo para a história graças a um monstruoso tentaço do Daniel Sobralense no chapéu em João Marcos com finalização imediata. Mas os pouco mais de 10 minutos finais foram de testar o coração de qualquer um: Ricardinho empatando na falha do Deola; Assisinho virando o marcador para deixar o Vozão campeão; e menos de 2 minutos depois, Cassiano pondo no alvo para o Tricolor tomar a taça de vez. Que pena, que pena mesmo, que não ficou exclusivamente no futebol e tivemos o espetáculo deprimente dos torcedores brigões. Foi mais um daqueles jogos de emocionar loucamente.

O Fortaleza chegou aos 40 títulos, o primeiro desde 2010, e está a apenas três do Ceará, finalista pela sexta vez consecutiva (2011 não teve finalíssima) e vice pela última vez em 2010. Os tricolores obtiveram 10 vitórias, 6 empates e 2 derrotas, com 30 gols marcados e 14 sofridos. O equilíbrio entre os dois grandes rivais neste 2015 é de arregalar os olhos de tão equilibrado: 2 vitórias de cada e 2 empates, cada time fez 8 gols.

Potiguar: antes inimigo, agora amigo



Flávio Boaventura já jogou no ABC, mas agora é do América e fez a gente vermelha muito mais feliz ao anotar a proeza que decretou a conquista dos visitantes no Frasqueirão em final que demorou mais de 15 minutos além do devido por causa da falta de luz justamente na última volta do ponteiro, é mole? Segundo estadual conquistado pelo Roberto Fernandes, que repetiu 2012 ao vencer pelos americanos em território abecedista. O Mecão agora tem 35 títulos e é bicampeão com retrospecto de 12 vitórias, 5 empates e 1 derrota, marcando 39 e sofrendo 12. Os alvinegros perderam seu primeiro Clássico Rei após 5 partidas, duas delas por eles vencidas.

Maranhense: festa do interior no interior



Se no Paraná o Operário foi campeão na capital, neste caso o Imperatriz comemorou com os seus fãs. Se havia perdido a ida para o Sampaio Corrêa por 2 x 1, reviravoltou com 3 x 1 para juntar esse título ao de 2005. Sua campanha mostrou 7 vitórias, 2 empates e 3 derrotas, com 27 gols pró e 17 gols contra. Destaque para o segundo gol, onde Mimica achou que tinha que fazer mímica e praticou um bloqueio de vôlei que resultou em pênalti.

Goiano: a vantagem era muito considerável



Nem quando deu gol da Aparecidense com apenas 16 segundos da metade complementar o cenário oferecia perspectiva de alguma mudança. Por ter a melhor campanha, o Goiás poderia ser campeão até levando dois de diferença. Bastou empatar com Felipe Menezes para confirmar o 25° título, retomando nesta quinta final seguida a hegemonia perdida em 2013. Foram 11 vitórias, 6 empates e 1 derrota, 32 gols seus e 13 dos rivais.

Brasiliense: um golaço arrematou a parada



Uma canhotaça do Rafael Grampola que subiu e subiiiiu para encobrir o goleiro no último minuto deu ao Gama o único gol na tarde de sábado, que levou ao quatrilho geral sobre o Brasília e a 10 conquistas metropolitanas, a primeira desde 2003. Os índices apontaram 10 vitórias, 2 empates e 4 derrotas, 18 gols pró e 8 contra.

Sul-Mato-Grossense: show de pênaltis sem ir aos pênaltis



A única possibilidade da final ser resolvida nos pênaltis era com novo 0 x 0. Mas pênaltis resolveram tudo mesmo sem ser 0 x 0 o marcador. Foram três marcados por Paulo Henrique Vollkpf. Os dois primeiros não aconteceram. Isto é: o primeiro (para o Comercial) foi falta na grossa "montada" de Paulo Vitor em Jefferson Paulista, mas fora da área, no limite da entrada da área. Já o segundo (para o Ivinhema) foi de assustar no fingimento canastraço de Carlos Júnior, que nem Troféu Internet ganharia, mas no qual o apitante inacreditavelmente caiu. Cobranças convertidas, depois cada time fez um gol e chegamos ao terceiro e decisivo pênalti, esse muito existente de Jadson em Jefferson Paulista. Bola na rede e Comercial campeão aos 47 minutos do segundo tempo. São 9 títulos do Colorado, o primeiro desde 2010. Foram 7 vitórias, 3 empates e 6 derrotas, 20 gols feitos e 22 levados.

Paraense: foi "pa ty" e para eles também



Rafael Paty pronuncia-se "Patí", mas não consegui deixar de lembrar da namorada do Chaves, que não sei qual preferência clubística teria em Belém, mas que por causa de "Páti" torceria para o Remo e vibraria com seus dois gols para a conquista do México... digo, do Pará diante do Independente em jogo único no Mangueirão. Além da 44ª conquista estadual em bicampeonato, o Leão ficou apenas uma atrás do Paysandu e se garantiu na Série D, o que fecha uma semana positivíssima após os 4 x 1 sobre o Cuiabá na ida da final da Copa Verde. Neste Parazão, a campanha foi de 7 vitórias, 2 empates e 3 derrotas, anotando 18 vezes e sendo vazado em 14.

Alagoano: vermelhos cantaram de galo (quarta-feira)



Após empate na ida, o CRB venceu a volta contra o Coruripe por 2 x 0 e não só completou 28 conquistas estaduais, como deu no adversário o troco pela perda do título no ano passado. A campanha apontou 8 vitórias, 1 empate e 3 derrotas, com 21 gols marcados e 8 sofridos.

Copa Verde: uma virada para a eternidade (quinta-feira)



Remo campeão na ida por marcar 4 x 1, certo? Errado. Na volta em casa, o Cuiabá aplicou 5 x 1 e praticou um vira-vira que deverá ser lembrado para todo o sempre. Assegurado na Copa Sul-Americana de 2016, o Dourado passou por CENE, Estrela do Norte e Luverdense antes de chegar à final e completar um retrospecto de 5 vitórias, 2 empates e 1 derrota, marcando 13 e tomando 7. Agora, o Leão aprontar uma dessas é dose pra leão!!!

Outros destaques pelo Brasil

Sergipe - Com tento de Bibi (que não é a Bibiana Bolson, mais uma que infelizmente não tenho a alegria de conhecer pessoalmente, snif, snif...), o Confiança saiu na frente do Estanciano e será campeão no sábado que vem até tomando um gol de diferença, enquanto o oponente tem que marcar no mínimo dois.

Mato Grosso - O Cuiabá abriu a final em vantagem sobre o Operário com o escore mínimo e será campeão na segunda-feira que vem se empatar, enquanto perderá o troféu se levar dois ou mais de diferença.

Espírito Santo - Acabou o hexagonal semifinal e a decisão será entre Rio Branco e Desportiva. O tradicional clássico capixaba resolverá o campeonato nos dois próximos sábados.

Goiás - Vila Nova campeão da segunda divisão esmagando o Goiânia por 1, 2, 3, 4, 5, 6 a nada, seu primeiro título desde a primeira divisão estadual em 2005. Foram 11 vitórias, 2 empates e 1 derrota. O Anápolis também subiu. Ele e o Vila substituirão Caldas Novas e Grêmio Anápolis na elite goiana no ano que vem.

Pernambuco - Sport e Central "oxaram" o "amistosaço de luxo com ares de rachão apronto dois toques" que dizem, mas não provam, que valia pelo terceiro lugar da competição e definição do último classificado para a Copa do Nordeste em 2016, o que já estava definido na ida em Caruaru com a quina rubro-negra.

Paraná - O time misto do Atlético atropelou o Nacional por 5 a nada e rebaixou o time de Rolândia para a segunda divisão junto do Prudentópolis, que perdeu para o Rio Branco e foi salvo pelo saldo de gols (1 a -4).

São Paulo - Além da campeã Ferroviária e do Novorizontino, as duas vagas na A1 de 2016 definidas na jornada derradeira do "The Romance Championship" (Série A2) ficaram com o Oeste, que empatou com o Independente para igualar os 36 pontos do Novorizontono, e com o Água Santa, que perdeu para o Velo Clube e estacionou nos 35 pontos e 11 vitórias, beneficiando-se do espichado saldo de 14 gols para superar o Mirassol, cujo saldo foi de apenas 7 mesmo ganhando do União Barbarense por 3 x 2. O Independente ficou de fora por ter 4 de saldo.

Rio de Janeiro - Portuguesa da Ilha do Governador finalista da segunda divisão pois, mesmo levando 4 x 3 na ida, derrubou o Americano ao aplicar 5 x 1 na volta e faturar a Taça Santos Dumont (primeiro turno).

Amistosos - Enquanto o Flamengo ganhou do Icasa por solo a nada, a Ponte Preta dobrou e tomou a trinca do Orlando City com penalidade máxima nos últimos minutos.

Os destaques do futebol europeu

Espanha (35 de 38 rodadas) - O Barcelona esmagou feito roda de trator para cima de uma latinha de refrigerante o Córdoba por 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 a nada, três só do Suárez, dois do Messi e um de Neymar, Rakitic e Piqué. São 87 pontos contra 85 do Real Madrid, que teve trinca do Cristiano Ronaldo para derrotar o Sevilla. Elo da partida merengue com o futebol brasileiro: quebrada uma invencibilidade de 34 partidas do Sevilla sem derrota no Ramón Sánchez Pizjuán. O Corinthians terá uma a mais na Arena de Itaquera se não perder para o Guaraní no meio da semana que vem - já que a semifinal paulista com o Palmeiras contou empate por só valer para tal estatística os 90 minutos ou prorrogação herdando o resultado dos primeiros 90, mas não as penalidades máximas.

Itália (34 de 38 rodadas) - A Juventus fez sua parte e é tetracampeã por derrotar a Sampdoria e chegar aos 79 pontos. Resta saber a vice-campeã. A Roma tem 64 pontos por vencer o Genoa e tomou a frente da Lazio, que empatou com a Atalanta. Com 59 está o Napoli, que deu de 3 no Milan em apenas 6 minutos.

Inglaterra (35 de 38 rodadas) - O Chelsea chegou ao quinto título com um gol a nada sobre o Crystal Palace. São 83 pontos contra 70 do Manchester City, que ganhou do Tottenham. A destacar ainda a vitória do Liverpool sobre o Queens Park Rangers por duas coisas: Gerrard marcando o gol da vitória após perder um pênalti; e QPR de luto pelo seu zagueiro Rio Ferdinand, que sofreu a perda da esposa Rebecca por câncer de mama aos 34 anos.

Alemanha (31 de 34 rodadas) - Já campeão e apenas ficando na ponta dos cascos para a semifinal da Liga dos Campeões, o Bayern de Munique perdeu em Leverkusen para o Bayer e se manteve com 76 pontos.

França (35 de 38 rodadas) - Ibrahimovic voltou após 4 jogos suspenso e participou de um dos gols da vitória do Paris Saint Germain sobre o Nantes. 74 pontos para os parisienses contra 71 do Lyon, que venceu o Evian.

Portugal (31 de 34 rodadas) - O Benfica encheu uma mão de gols sobre o Gil Vicente e soma 78 pontos, ainda na liderança e ainda com o Porto na cola por ter 75 após ir a Setúbal e derrotar o Vitória.

Curtinhas

*Boxe: além de não ter nada de "luta do século", Manny Pacquiao ainda perdeu injustamente na contagem muito errada dos jurados para Floyd Mayweather Jr., que teve pouca iniciativa e muita camaradagem com ele.

*Basquete: quem assistiu a eliminação do atual campeão San Antonio Spurs da NBA para o Los Angeles Clippers, na última partida da melhor-de-sete pelas quartas-de-final da Conferência Oeste, garante nunca mais esquecer o que viu. Os Clippers ganharam por 111 x 109 com uma cesta de Chris Paul no último segundo. O pessoal no Twitter estava enlouquecido com o jogo, mais que eu quando conheci pessoalmente a "musa-mor" Cristina Vieira ou falei por telefone com a Débora Vilalba. (risos) O adversário na semi será o Houston Rockets.

*Vôlei: o Rexona/Ades viajou ontem até a Suíça para jogar o Mundial a partir da próxima quinta-feira. Será a efetiva última competição oficial da Fofão antes da aposentadoria. O torneio vai até domingo.

*Atletismo: os revezamentos 4 x 100 metros e 4 x 400 metros, tanto delas quanto deles, conseguiram presença nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro através da final do Mundial realizado nas Bahamas.

*Handebol: a seleção masculina do Brasil completou o torneio amistoso na Polônia com mais duas vitórias, a do sábado por 30 x 28 sobre a Romênia e a de ontem com 25 x 24 pra cima dos anfitriões.

*Futsal: o Zonal Sul do Sul-Americano teve o Brasil Kirin de Sorocaba fazendo 14 x 0 no Palestino do Chile e 10 x 2 no Banco República do Uruguai, hoje sendo o argentino Villa la Ñata seu próximo adversário. Por sua vez, a Krona de Joinville venceu o Peñarol do Uruguai por 2 x 0 e estraçalhou o Cobreloa do Chile por 17 x 2. Nesta segunda, os catarinenses terão como quarto compromisso os paraguaios do Pablo Rojas.

*Ginástica: a etapa brasileira da Copa do Mundo, realizada em São Paulo de sexta-feira até este domingo, teve vários de nossos atletas fazendo bonito. Flávia Saraiva, de 15 anos e 1,31 metro, ganhou ouro no solo feminino (nota 13,625) e prata na trave (nota 15,100, atrás dos 15,400 da chinesa Shunsong Shang). Outro ouro foi do Arthur Zanetti nas argolas com a nota de 15,900, suficiente e menor que os 16,050 das eliminatórias, sua melhor avaliação na carreira. A prata, com 15,100, foi de Henrique Flores. Mais um ouro foi de Ângelo Assumpção no salto com 15,025. Bronze nesta prova, Diego Hypólito foi prata no solo masculino, sua nota 15,550 só menor que a 15,625 do chileno Tomas González. Ainda a destacar a prata de Rebeca Andrade no salto feminino com 14,700, atrás da 14,962 da chinesa Yalan Deng. Teve também o bronze de Francisco Barretto nas barras paralelas com nota 15,300, menor que a de 15,525 do chinês Xiaodong Zhu e a 15,750 do vencedor alemão Lukas Dauser.

*A tragédia do fim de semana foi a morte da ex-nadadora Sarah Corrêa com apenas 22 anos ao ser atropelada por um carro quando estava em um ponto de ônibus no fim da tarde de sábado na Estrada dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Alegando em depoimento na 42ª DP ter precisado ir ao hospital, o motorista acabou não prestando socorro nem para ela e nem para outro senhor também falecido, chamado Paulo Soares, de 58 anos. Medalha de prata no 4 x 200 livre no Pan-Americano de Guadalajara, Sarah deixou as piscinas em outubro do ano passado para ser modelo. Uma vida toda pela frente e acabou de forma estúpida e brutalmente imperdoável.

Sintonia PB

Começa o tópico desta "24 Horas" que está antenado no que ocorre fora dos esportes. Às novidades:

*Leio no Flávio Ricco que duas emissoras deslocaram repórteres até Katmandu, capital do Nepal, para cobrir os desdobramentos do terremoto que matou mais de 7 mil pessoas desde o fim de semana retrasado: a Record, com Cintia Godoy saindo de Tóquio, e a RedeTV!, que mandou Luiza Duarte a partir de Hong Kong. Das principais redes, apenas Band e SBT não estão lá. A Globo, como se sabe, acompanhou tudo desde o começo devido à coincidente presença da equipe do "Planeta Extremo" no país para gravações da terceira temporada, fazendo com que Carol Barcellos e Clayton Conservani entrassem diversas vezes nos noticiários gerais.

*Outra do "guru" Ricco: consta estar muito perto a contratação por parte da RedeTV! de Luciano Faccioli, fora do ar desde a pouco exitosa passagem pela TV Jornal (SBT Pernambuco). Investindo bastante Franz Vacek no setor jornalístico, apostando em muitas chegadas e novidades para estabelecer mais o melhor setor da emissora.

Bela do Dia: Audilani Martins

Audilani Martins, musa do Grêmio Anápolis e musa do Campeonato Goiano de 2015, eleita que foi no último sábado. O time dela caiu para a segunda divisão, mas esta loirona luta sempre pelo primeiro lugar.

*Mais RedeTV!: leio na Folha de S.Paulo que o "Mariana Godoy Entrevista", que estreará na próxima sexta-feira, alternará entrevistas e reportagens na rua com um perfil mais jornalístico que a média dos programas de entrevista da nossa televisão. Política e economia predominarão nas pautas e uma plateia de 20 pessoas poderá formular perguntas. O primeiro entrevistado será Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados.

*Começando hoje a programação totalmente dublada do Warner Channel, ficando exclusivamente com legendas e som original as produções mais recentes. Esta opção continuará disponível através do controle remoto.

*Segunda-feira dos 15 anos sem Sandra Bréa, atriz e musa nascida em 1952 e que fez novelas como "O Bem-Amado" e humorísticos como "Faça Humor, Não Faça Guerra", sempre na Globo, além de diversos ensaios sensuais nos anos 70 e 80. Soropositiva, não morreu disso e sim de câncer no pulmão.

*Saideira: 40 anos hoje da morte de Moe Howard, nascido em 1897 e eterno carrancudo de "Os Três Patetas", sempre dando ordens em Larry, Curly, Shemp, Joe e Curly Joe, por isso mesmo sendo mais engraçado ainda quando se dava mal. Ele esteve no grupo desde o começo em 1922 até o encerramento em 1970.

E fique antenado! "Sintonia PB" continua de olho no que ocorre fora dos esportes e retorna na próxima coluna.

Clipe do Dia

43 ou 45 anos que completa hoje Gregg Alexander, vocalista do New Radicals? Vou pela maioria das fontes que dão 45. Mesmo assim, é bom curtir aqui seu único sucessaço, a ótima canção "You Get What You Give".

Arremate

O Guaraní fez 1 x 0 no Libertad no Paraguai e teve clássico com 2 do Boca Juniors e 0 do River Plate.

"24 Horas" volta antes do encontraço tangueiro nas oitavas da Copa Libertadores!

O COLUNISTA: Edu Cesar é criador e editor do Papo de Bola (autor também da coluna "Papo de Mídia") e editor do blog "Papo Final" no Final Sports.

TWITTER: @papodebola
FACEBOOK: SitePapoDeBola
E-MAIL: papodebola@gmail.com
BLOG NO FINAL: papofinal.final.com.br


LEIA
COLUNAS ANTERIORES
VEJA
"BELAS DO DIA" ANTERIORES

.


 
Seja mais um seguidor do Papo de Bola e leia as manchetes do site e comentários diversos.

PAPO DE BOLA - O SITE Desde 2/6/2003 Jogue junto com este time!
Criação, produção e edição Edu Cesar E-mail papodebola@gmail.com

.